Anywhere Office

O que os funcionários mais buscam na política de trabalho flexível da sua empresa?

Redação BeerOrCoffee
Escrito por Redação BeerOrCoffee em março 7, 2022
O que os funcionários mais buscam na política de trabalho flexível da sua empresa?
Junte-se a mais de 30 mil pessoas!

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos sobre o futuro do trabalho!

Ao definir uma política de trabalho flexível, é recomendado que a empresa ouça e considere as opiniões de seus funcionários. Saiba mais!

As novas tecnologias de computação e de comunicação estão permitindo que os funcionários das empresas possam trabalhar em qualquer espaço, o que chamamos de anywhere office. Tal realidade tem feito com que as organizações precisem desenvolver uma política de trabalho flexível.

Ficar atento a essa nova realidade é fundamental para as empresas, principalmente a fim de reter talentos. Para você ter uma ideia, de acordo com o Global CIO Institute, 54% dos trabalhadores planejam deixar os seus empregos atuais, caso não tenham rotinas flexíveis no pós-pandemia.

Por isso, ouvir os seus colaboradores é muito importante ao definir uma política de trabalho flexível na sua empresa. Continue lendo para saber mais!

O que é política de trabalho flexível?

Uma política de trabalho flexível pode ser definida como um conjunto de regras, de benefícios e de ações institucionalizadas pelas empresas que possibilitam rotinas flexibilizadas aos funcionários.

A ideia é que sejam estabelecidas algumas normativas com o objetivo de que o trabalho flexível seja mais organizado e de que não comprometa as metas e os objetivos da organização. 

Dentre outros pontos, a empresa deve definir quais são os horários em que os colaboradores poderão realizar as suas atividades, os dias em que poderão ficar em home office ou frequentar coworkings, as datas em que é necessário ir ao escritório tradicional etc.

3 pontos mais valorizados pelos funcionários em uma política de trabalho flexível

As novas tecnologias e as possibilidades, como o escritório flexível, estão mudando a relação entre as organizações e seus colaboradores, assim como a forma como as atividades de trabalho são realizadas.

Segundo uma pesquisa da PowWowNow, 35% dos trabalhadores preferem oportunidades de trabalhos flexíveis a um aumento salarial. Além disso, 80% dos profissionais preferem empregos que proporcionam mais flexibilidade nas rotinas. 

Isso faz com que a política de trabalho flexível traga muitas vantagens às organizações. Para ter ainda mais sucesso ao implementá-la, é interessante ficar de olho naquilo que os funcionários mais estão buscando atualmente. Veja alguns pontos relevantes a seguir.

1. Trabalho totalmente remoto

Durante a fase mais aguda da pandemia da covid-19, muitas empresas migraram as suas atividades para o formato remoto.

Nesse período trabalhando em home office, grande parte dos colaboradores gostou da experiência. Por isso, a possibilidade de seguir trabalhando remotamente é um dos principais pontos que os funcionários desejam em uma política de trabalho flexível.

Com o intuito de possibilitar que o trabalho remoto seja realizado com mais qualidade, o gestor de facilities ou o responsável pelo RH da organização pode firmar parcerias com plataformas de coworking.

Dessa forma, os funcionários terão a liberdade para escolher o local em que trabalharão, podendo frequentar escritórios compartilhados nas principais cidades brasileiras. 

2. Flexibilidade de horários

A flexibilidade de horários também é um desejo que grande parte dos funcionários das empresas tem. Dessa maneira, pode-se conciliar melhor as rotinas de trabalho com outras atividades.

Segundo um estudo feito pelo International Workplace Group, 85% dos funcionários entrevistados dizem ser mais produtivos quando trabalham em horários flexíveis. Para as empresas, sem dúvidas, isso é muito vantajoso.

É claro que há limitações para isso! No caso de profissionais do setor financeiro, que precisam realizar transações bancárias, por exemplo, é preciso respeitar horários de terceiros, como o período em que os bancos realizam os seus serviços.

Horário flexível de trabalho

Porém, para grande parte das atividades, não é necessário que todos os colaboradores estejam trabalhando ao mesmo tempo. A ideia é que, cada vez mais, os funcionários passem a ser cobrados por tarefas realizadas, e não por quantidade de horas trabalhadas.

Se uma pessoa acredita ser mais produtiva durante a noite, por exemplo, pode escolher trabalhar nesse horário, e não no período comercial. São pontos como esse que são apontados pelos colaboradores, quando questionados sobre as rotinas flexíveis.

3. Redução dos dias de trabalho

Uma reportagem da revista Forbes trouxe alguns dados interessantes sobre a redução dos dias de trabalho na semana pelo mundo. Segundo a publicação, na Islândia, 85% dos trabalhadores já podem trabalhar apenas quatro dias por semana.

A revista também comenta que a tendência já está se espalhando por outros países, como o Reino Unido e o Japão. Dentre outras vantagens, as empresas que adotaram essa medida tiveram menos gastos administrativos, como o uso de papel e de energia. 

No Brasil, já existem exemplos de empresas que reduziram a quantidade de dias trabalhados de cinco para quatro por semana. Exemplos podem ser vistos em uma reportagem do portal Gaúcha ZH.

A publicação traz relatos de executivos de três negócios, do Rio Grande do Sul, que adotaram folgas maiores para a equipe. Os resultados observados foram crescimento na produtividade e uma melhora na saúde mental dos colaboradores.

De olho em tendências como essas, a redução dos dias de jornada também é algo que vem sendo solicitado pelos funcionários nas políticas de trabalho flexível das empresas. 

Extra: funcionários não querem mais pedir por flexibilidade

De acordo com uma pesquisa feita pela YouGov, 24% dos funcionários não pediriam para trabalhar no formato híbrido ou flexível, caso isso já não fosse oferecido pela empresa.

Isso se deve ao fato de pensarem que podem ser mal-vistos pelos gestores, o que acabaria prejudicando as suas carreiras.

Tal realidade nos dá margem para conclusões acerca do turnover, ou seja, a rotatividade de funcionários nas organizações.

Será que os funcionários receosos em pedir por flexibilidade continuariam trabalhando numa empresa tradicional caso tivessem a oportunidade de pleitear uma vaga em uma concorrente que oferecesse uma rotina flexível? Provavelmente não!

Por esses e por outros motivos, considerar as opiniões dos funcionários e elaborar uma política de trabalho flexível mais justa são aspectos tão importantes para os negócios. Fazer uma pesquisa interna e conhecer a realidade dos colaboradores da sua empresa são ideias interessantes.

Tudo aquilo de que a sua empresa precisa para ter mais flexibilidade está em nosso “Guia definitivo do futuro do trabalho”. Não perca tempo e baixe agora mesmo!

Guia Definitivo do Futuro do Trabalho

Texto de Lucas FloresRelações Públicas e Mestre em Letras, Cultura e Regionalidade. Revisado por Gabriele Lisboa, revisora textual freelancer. 

Faça sua primeira reserva em um coworking!

X