Gestão de equipes

O que esperar? 7 principais tendências para gestão e liderança em 2022

Redação BeerOrCoffee
Escrito por Redação BeerOrCoffee em novembro 16, 2021
O que esperar? 7 principais tendências para gestão e liderança em 2022
Junte-se a mais de 30 mil pessoas!

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos sobre o futuro do trabalho!

As principais tendências para gestão e liderança em 2022 estão voltadas para o bem-estar dos colaboradores, a diversidade, a motivação o engajamento e a flexibilidade. Veja algumas ideias para implementar na sua empresa.

Com a chegada do fim do ano, muitas dúvidas surgem para as empresas. Esse é o momento de se planejar e garantir que o próximo seja melhor. Por isso, é preciso fazer mudanças positivas, que ajudem a reduzir os erros e evitar o retrabalho. No RH, é a hora de verificar quais são as principais tendências para gestão e liderança em 2022.

Afinal, a gestão de pessoas é responsável por cuidar do bem-estar dos trabalhadores remotos e presenciais. A partir disso, as chances de alta produtividade, motivação e engajamento aumentam.

No entanto, com o cenário recorrente da pandemia desde 2020, há uma mudança significativa na forma de enxergar o trabalho. É fundamental saber o que o RH faz e como é possível ajustar as ações à nova realidade.

Por isso, apresentaremos as 7 principais tendências para gestão e liderança em 2022. Assim, você se prepara e garante que a empresa está adequada às novas exigências. Que tal saber mais?

principais tendências para gestão e liderança em 2022

1. Foco na rotatividade dos colaboradores

Uma pesquisa da Korn Ferry mostrou que 55% dos profissionais acreditam que a rotatividade de colaboradores vai aumentar em 2022. Além disso, 31% dizem que deixariam seu emprego, mesmo que não tivessem outro. Os motivos para isso são: 

  • Reavaliação de prioridades em meio à pandemia: 30%;
  • Falta de avanço na carreira: 24%;
  • Melhor remuneração e benefícios: 23%.

Essa é uma das principais tendências para gestão e liderança em 2022. Afinal, será necessário criar estratégias para lidar com esse momento. Entre elas estão oferecer salários mais atrativos e incentivos e benefícios de longo prazo.

2. Atenção à comunicação

O ano de 2022 será o momento ideal para restabelecer conexões e relacionamentos. Se a pandemia trouxe horas de reuniões online e videoconferências, agora é o momento de criar mais oportunidades para aprofundar esses contatos. Aliás, esse é um dos principais desafios do trabalho híbrido, que está sendo cada vez mais implementado pelas empresas.

Atualmente, vale dizer que a companhia que deixar essa tendência de lado corre mais riscos a ter que lidar com problemas maiores. A afirmação parece exagerada, mas o risco é que os colaboradores fiquem cada vez mais isolados e, consequentemente, prejudicados em relação à produtividade e o trabalho em equipe.

Para evitar essa situação, a dica é estabelecer uma cultura leve, em que todos possam ouvir, compreender e se inspirar ao estarem mais conectados. Existem várias formas de chegar a esse objetivo. É preciso ver quais se adaptam melhor ao seu negócio. Por exemplo, happy hour online e presencial, eventos corporativos que reúnam todos os funcionários e presença do gestor semanalmente para entender as principais dificuldades.

principais dificuldades das empresas de tecnologia no trabalho híbrido

3. Atenção à reinvenção, em vez da disrupção

Antes da pandemia, o foco estava sempre voltado para a disrupção. A palavra se refere a um formato de inovação. No entanto, o objetivo é criar um mercado ou processo diferente e acabar com aquele já existente. Não há nada de errado nisso. Porém, agora a atenção está voltada para a reinvenção.

Essa é uma das principais tendências para as equipes em 2022. Afinal, essa mudança de mentalidade exige a colaboração dos funcionários. O que isso significa, na prática? A ideia é utilizar a agilidade e a flexibilidade conquistadas no período de pandemia para encontrar oportunidades.

Aqui, podem ser buscadas soluções para faltas, mudanças de clima organizacional, problemas com a cadeia de suprimentos e alterações constantes nas demandas dos consumidores. Portanto, o objetivo é usar os conceitos obtidos com a disrupção para reinventar e inovar.

4. Cuidado com a saúde mental

Os problemas com os colaboradores podem começar com a saúde mental. O período de pandemia agravou essa situação. Para ter uma ideia, 70% dos profissionais dizem ter piorado durante o período de isolamento social. Segundo eles, o problema é que estão mais tensos, nervosos e preocupados.

Ainda há outras informações relevantes na pesquisa feita pelo Instituto Brasileiro de Pesquisa e Análise de Dados. O levantamento demonstrou que os colaboradores também têm outros problemas relacionados à saúde mental. Entre eles estão:

  • Ansiedade: 55%;
  • Estresse: 51%;
  • Tristeza: 49%.

Apesar disso, 62% alegaram que a empresa em que trabalham não ofereceu suporte relacionado a essas questões. Portanto, essa é uma das principais tendências para gestão e liderança em 2022. É importante revisar as estratégias de trabalho híbrido e verificar o que está disponível.

Além do mais, vale a pena implementar iniciativas relacionadas à qualidade de vida. Por exemplo, um centro de bem-estar, o estímulo à prática de atividades físicas e gestores abertos para trazer o suporte necessário para quem precisar.

principais tendências para gestão e liderança em 2022

5. Transparência

Outra tendência da gestão de pessoas é a transparência. Isso é derivado do trabalho remoto e híbrido. Afinal, nesse cenário, foi possível construir uma cultura de frequentes check-ins e feedback contínuo. Assim, a cultura colaborativa e ágil tende a se fortalecer.

Vale a pena lembrar de que essa tendência também impacta os cargos de liderança, da C-suite. Nesse caso, as principais pressões estão relacionadas a:

  • Contratação e desenvolvimento de pessoas, especialmente aquelas que integram grupos com menor representatividade;
  • Pagamento equivalente a todos os trabalhadores;
  • Adotar posicionamento em problemas sociais.

6. Representatividade

Cada vez mais, os grupos com menor representatividade encontram seu espaço. Isso é exigido pela própria sociedade. Ainda há uma situação de falta de talentos qualificados. Por isso, os empregadores estão procurando novos estilos de profissionais, a fim de diversificar a força de trabalho.

Portanto, a expectativa é que haja o fortalecimento da contratação por habilidades pessoais e comportamentais (soft skills). Assim, as capacidades técnicas são ensinadas. É importante destacar que isso requer uma mudança do escritório para equipes remotas e híbridas.

Muitas vezes, um coworking pode suprir essa necessidade, especialmente em locais em que sua empresa não tenha uma filial. Além disso, implementar o trabalho remoto é uma forma de aumentar o perímetro de busca a profissionais, tanto para melhorar a qualidade dos talentos quanto para aumentar a representatividade.

principais dificuldades das empresas de tecnologia no trabalho híbrido

7. Flexibilidade

A pandemia fez muitos trabalhadores revisitarem os seus próprios modelos de trabalho. Enquanto alguns preferem o formato presencial, boa parte prefere o híbrido e/ou o remoto. Tanto é que uma pesquisa do Great Place to Work mostrou que 64,7% preferem o modelo flexível, com alguns dias presenciais e outros a distância.

Aqui, é necessário implementar políticas de trabalho híbrido. Ainda assim, essa é uma oportunidade para reduzir o turnover e melhorar a retenção de talentos, a motivação e o engajamento.

Esse processo também precisa ser bem estruturado. Por isso, vale a pena contar com uma solução que permita acessar escritórios flexíveis em várias cidades do País. É o que o OfficePass oferece. 

Com ele, sua empresa tem a chance de encontrar coworkings em mais de 160 cidades. Assim, é mais fácil ter colaboradores de qualquer local e engajá-los no trabalho. Não por acaso, a flexibilidade também é uma das principais tendências para gestão e liderança em 2022.

Quer conhecer o OfficePass e entender como ele funciona? Acesse o nosso site e saiba mais.

OfficePass do BeerOrCoffee

Texto escrito por Fabíola Thibes, jornalista e redatora web.