Coworking

O que é real estate e qual sua importância para o mercado de coworking?

Redação BeerOrCoffee
Escrito por Redação BeerOrCoffee em outubro 21, 2021
O que é real estate e qual sua importância para o mercado de coworking?
Junte-se a mais de 30 mil pessoas!

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos sobre o futuro do trabalho!

O que é real estate? Sinônimo de mercado imobiliário, esse termo indica um segmento em que é possível obter lucro com venda e aluguéis de imóveis. No entanto, esse cenário vem sendo impactado pelo setor de coworking. Entenda a relação.

Você já se perguntou o que é real estate? Esse termo está relacionado ao mercado imobiliário, que tem diferentes players. São corretores, clientes e investidores que têm o objetivo de garantir a valorização de uma propriedade para obterem lucro. O que pouca gente pensa é que esse conceito também tem relação com a capacidade de viver uma nova forma de trabalho.

Parece estranho? Basta pensar nos coworkings e já é possível mudar a chave dos players tradicionais do mercado para esse segmento que está em expansão. Para ter uma ideia, a expectativa é que o setor chegue a 11,52 bilhões de dólares em 2023. A previsão é que a taxa de crescimento anual composta (CAGR) seja de 11,8%.

Em 2021, a visão do mercado de coworking também é positiva. Tanto é que uma pesquisa apontou que 60% dos usuários dos escritórios flexíveis apresentaram melhorias na vida social, na saúde e na produtividade. Além disso, 66% querem permanecer no espaço compartilhado e não o trocariam por um ambiente privado, mesmo que o custo seja equivalente.

O coworking se tornou uma exigência a ser respeitada pelas empresas. Por isso, o real estate sofre influência desse mercado e vice-versa. É o que vamos explicar melhor neste artigo. Veja.

o que é real estate

Afinal, o que é real estate?

Real estate é o termo em inglês que se refere a todo ativo real. Normalmente, está relacionado a um imóvel ou ativo imobiliário, como fundos de investimentos no setor (FIIs). Sua tradução é “propriedade real”. Por isso, sempre remete à ideia de um bem tangível.

No Brasil, o conceito é sinônimo de mercado imobiliário. Sendo um segmento do mercado financeiro, essa área vem chamando a atenção de investidores. Isso porque pode trazer bons lucros, mesmo em períodos de crise.

Basta ver os dados: o mercado imobiliário abrange 56% da riqueza global. Em 2021, a expectativa é que o setor cresça o equivalente a 35%. Isso porque foi um dos poucos segmentos em expansão em 2020.

O que tudo isso tem a ver com o coworking? Para começar, é um imóvel. Portanto, faz parte desse setor. Em segundo lugar, como está em expansão, torna-se um bom investimento. Além disso, existem outros fatores a considerar, como veremos em seguida.

Real estate e coworking: qual é a importância dessa relação?

Há cerca de 15 anos, os primeiros coworkings começaram a aparecer no mundo. Foi nesse cenário que o mercado se tornou uma tendência e se consolidou nos últimos anos. A principal busca veio de freelancers, empreendedores e startups, que precisavam de um ambiente corporativo de baixo custo e boa infraestrutura.

Desde então, o setor de coworking rompeu as barreiras do escritório tradicional e deu espaço à força de trabalho multigeracional. Além disso, fortaleceu as estratégias para engajar os funcionários. Com isso, as empresa começaram a ver cada vez mais vantagens em optar pelos espaços compartilhados.

O que isso significou para o mercado de real estate? Para entender, é preciso ver alguns números:

  • 55% acreditam que o coworking continuará absorvendo o espaço dos escritórios tradicionais;
  • 100% entendem que houve um aumento de moderado a significativo na proporção de startups que usam o escritório compartilhado;
  • 92% perceberam o mesmo crescimento de moderado a significativo em relação aos autônomos e 73% enxergaram o mesmo critério nas grandes empresas;
  • 83% dos investidores preveem alta no total de participantes no coworking entre as maiores operadoras, enquanto 71% percebem o mesmo movimento nas pequenas.

Toda essa expectativa faz com que seja necessário mais do que saber o conceito de real estate. É preciso entender que esse mercado está sofrendo uma revolução devido aos coworkings.

Inclusive, o mesmo levantamento indicou que o modelo vem evoluindo. Tanto é que 89% dos entrevistados dizem que os proprietários tradicionais emprestaram as inovações do Real Estate as a Service – uma tendência de negócios onde o cliente final possui acesso rápido a espaços e suas respectivas amenidades. Essa prática foi estabelecida pelos coworkings.

Além disso, 70% acreditam que a tendência é que a tendência dos grandes players do coworking seja de compra, em vez do financiamento de ativos. Esse movimento deve se acelerar nos próximos anos.

Ou seja, ainda que um investidor possa investir em qualquer ativo do mercado imobiliário e trabalhar com diferentes tipos de locação, o coworking se mostra uma escolha certeira. Mais do que ter transformado o ambiente corporativo, o escritório compartilhado também atende às demandas das novas gerações. Ou seja, a disrupção está presente em vários âmbitos.

o que é real estate

Futuro do setor

Além das mudanças claramente verificadas nas mudanças de trabalho, o uso dos imóveis comerciais foi modificado profundamente pelo setor de coworkings. As empresas responsáveis por esses empreendimentos começaram a absorver parte dos principais mercados metropolitanos.

Isso traz qualidade de vida e bem-estar aos colaboradores, que podem evitar deslocamentos diários. Esse é apenas um dos motivos que fazem o futuro do real estate ser baseado nos coworkings. Além disso, muitas novidades ainda devem surgir. Algumas delas são:

  • Joint ventures: operadores de coworking e proprietários de imóveis podem se unir para comprar, desenvolver ou repor construções para focar os escritórios compartilhados. Assim, é possível ter um lucro maior;
  • Redesenvolvimento contínuo: os escritórios e as indústrias tradicionais continuarão em processo de mudança e serão cada vez mais atraídos aos coworkings. Assim, o mercado de espaços compartilhados tende a abranger novos setores;
  • Financiamentos de curto prazo: os pequenos e médios inquilinos tendem a ter prazo de aluguel menor. Assim, os coworkings ganham mais espaço em comparação com os escritórios tradicionais.

O processo ainda está em desenvolvimento, mas é importante lembrar que muitas empresas já vivem um novo formato de trabalho por meio do anywhere office, ou seja, a possibilidade de trabalhar em qualquer lugar. Por isso, é preciso garantir que sua empresa esteja alinhada a esse momento, se fizer sentido para o objetivo do seu negócio.

O que acha desse mercado? Ainda precisa se preparar melhor? Baixe este Guia completo e saiba tudo sobre o universo do coworking.

Texto escrito por Fabíola Thibes, jornalista e redatora web.