Trabalho híbrido

Trabalho híbrido: por que sua empresa deve pensar além do home office ou escritório tradicional?

Renato Ribeiro
Escrito por Renato Ribeiro em julho 19, 2021
Trabalho híbrido: por que sua empresa deve pensar além do home office ou escritório tradicional?
Junte-se a mais de 30 mil pessoas!

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos sobre o futuro do trabalho!

No pós-pandemia, muitas empresas querem escolher entre home office ou escritório tradicional. No entanto, é possível achar uma terceira via: o trabalho híbrido. Entenda melhor!

O número de casos de COVID-19 começa a diminuir e uma dúvida aparece para os gestores das empresas: ficar em home office ou escritório tradicional? Apesar de existir esse questionamento, há uma terceira via, que é mais interessante do que essas duas outras possibilidades.

A verdade é que a pandemia do coronavírus trouxe uma nova realidade ao mundo corporativo. As empresas tiveram que mudar seus processos e se adaptar. Ao mesmo tempo, isso gerou novos objetivos e expectativas nos profissionais.

Inclusive, muitos agora querem adotar um modelo mais flexível. É aqui que surge o trabalho híbrido. Basicamente, ele prevê que o colaborador foque sua produtividade, exercendo suas funções de qualquer lugar e em determinados dias da semana e em outros no escritório tradicional.

O que as empresas ganham com isso? Existem muitas vantagens. Neste post vamos explicar quais são elas e por que vale a pena optar por uma terceira opção!

Os desafios das empresas durante a pandemia

Em poucos dias, os primeiros casos de coronavírus apareceram e muitas empresas tiveram que fechar as portas, pelo menos, temporariamente. Para boa parte delas, o trabalho a distância não era uma opção. Mais de um ano depois, ele é uma realidade e a dúvida fica entre home office ou escritório tradicional.

home office ou escritório tradicional

Ainda assim, os desafios enfrentados nesse período foram muito significativos. Para ter uma ideia, em maio de 2020, uma pesquisa da Aberje indicou que 55% das empresas apontavam a capacidade de manter os profissionais engajados e produtivos como o principal desafio da pandemia. Os outros pontos destacados no levantamento foram:

  • 45% disseram que o desafio estava em manter a saúde financeira do negócio;
  • 45% sinalizaram que o obstáculo era flexibilizar processos e adaptar-se para adotar estratégias ágeis.

Para tentar ultrapassar essas dificuldades, as ações mais comumente adotadas foram:

  • Opção pelo modelo home office: 95%;
  • Afastamento dos profissionais pela concessão de férias coletivas e individuais, compensação de banco de horas, suspensão das operações e redução da jornada: 95%;
  • Fortalecimento do processo de comunicação digital: 90%.

Apesar desses dados, o estudo também apontou que nem todos os colaboradores puderam optar pelo trabalho remoto. Nesses casos, as táticas foram:

  • Adequação do ambiente de trabalho, com redução da carga horária e revezamento: 40%;
  • Reforço das medidas de higiene, limpeza e segurança no ambiente de trabalho: 34%;
  • Melhoria do processo de comunicação via campanhas e informações orientativas: 21%.

Essa última realidade está presente para a maioria dos brasileiros. Afinal, uma pesquisa do IBGE evidenciou que somente 10% da população puderam adotar o home office. Isso representa 7,9 milhões de pessoas.

Muito dessa situação é apontada na Pesquisa de Gestão de Pessoas na Crise de COVID-19, da USP. O estudo mostrou que 67% das empresas enfrentaram dificuldades para lidar com o trabalho a distância. O motivo foi a urgência em tomar essa decisão para manter o negócio em funcionamento.

O levantamento ainda trouxe dois outros dados importantes. O primeiro mostra que 94% das empresas entrevistadas acreditam que o home office superou as expectativas. O segundo indica que 75% das companhias querem voltar ao escritório tradicional após a liberação das autoridades.

Ainda assim, será que é necessário escolher: home office ou escritório tradicional? A resposta é: não! Há mais possibilidades. Até mesmo porque o trabalho remoto vai muito além da atuação em casa e pode contar com toda a infraestrutura necessária.

A solução para os problemas corporativos

A resposta para encontrar a “terceira via” está no trabalho híbrido. De modo objetivo, esse modelo permite que os profissionais escolham onde, como e quando trabalhar — em geral, tendo que ir uma, duas ou três vezes ao escritório tradicional semanalmente. É um formato flexível, em que uma pessoa pode estar em casa, outra no escritório e outra em um coworking.

Ele já existe há alguns anos. No entanto, ficou fortalecido com a pandemia. Um dos estudos que comprova essa afirmação é da Dell Brasil. Segundo o líder da empresa, Diego Puerta, o regime híbrido deve ganhar espaço. Para ele, esse é o futuro do trabalho.

A consultoria Robert Half aponta a mesma tendência. Em pesquisa realizada, 95% dos executivos alegaram que o trabalho híbrido será mantido no pós-pandemia e ficará como permanente.

Além disso, 80% das vagas anunciadas pela consultoria entre abril e dezembro de 2020 foram voltadas para cargos 75% ou 100% remotos.

Por isso, esse regime também é conhecido como trabalho distribuído. Isso porque as pessoas estão espalhadas e atuam em vários locais diferentes.

Assim, alguns profissionais optarão por ficar no escritório, outros em casa em alguns dias da semana, outros no coworking. Inclusive, haverá alguns que vão preferir pelo anywhere office, ou seja, o colaborador ficará viajando por diversos lugares do Brasil e do mundo e, ainda assim, estará vinculado à empresa.

Por que optar pelo trabalho híbrido?

Existem várias vantagens ao optar pelo trabalho híbrido, em vez de ficar na dúvida entre home office e escritório tradicional. Os principais benefícios são:

  • Flexibilidade para os colaboradores definirem onde e quando desejam trabalhar;
  • Aumento da produtividade;
  • Melhoria da retenção de talentos;
  • Diminuição da rotatividade de profissionais;
  • Redução dos custos organizacionais;
  • Fortalecimento do engajamento dos profissionais;
  • Melhoria da saúde e do bem-estar dos colaboradores, com reflexos na qualidade de vida no trabalho.

Esses fatores são tão relevantes que uma pesquisa mostrou que 76% dos profissionais jovens preferem ficar com o modelo de trabalho híbrido. O mesmo levantamento ainda sinalizou que:

  • 43% dos entrevistados disseram que as empresas em que trabalham vão adotar o modelo híbrido como padrão;
  • Entre as companhias que não decidiram qual modelo adotarão (33%), 53% dos profissionais alegam preferir o trabalho híbrido;
  • 44% trabalham em locais que já utilizam esse regime.

Nesse momento, fica claro que vale a pena considerar o trabalho híbrido como a substituição do home office e do escritório tradicional. Até mesmo porque ele traz outro benefício: a possibilidade de contar com uma infraestrutura adequada.

Como? A resposta está nos coworkings. Esses locais são escritórios flexíveis e contam com estruturas completas, que permitem trabalhar sem problemas e perdas na produtividade. No local, é possível encontrar, entre outros serviços:

  • Mesas com pontos de energia e várias tomadas;
  • Cadeiras ergonômicas;
  • Divisão de espaço entre os postos de trabalho;
  • Espaço amplo para apoiar o material;
  • Possibilidade de interação com outras pessoas;
  • Salas privativas;
  • Salas de reunião, inclusive com a possibilidade de atender clientes;
  • Recepcionista;
  • Internet com boa velocidade;
  • Serviços de limpeza e impressão.

As vantagens de adotar o OfficePass

Além de toda a infraestrutura e os serviços incluídos e/ou disponíveis, o BeerOrCoffee trabalha com a assinatura OfficePass. O grande benefício é usar o coworking conforme a sua necessidade.

Voltado especificamente para empresas que adotam o trabalho híbrido, o OfficePass oferece acesso a centenas de escritórios compartilhados em 160 cidades. O processo de contratação é sem burocracia e o pagamento é feito somente de acordo com o uso. Ou seja, não utilizou, não há cobranças. Outras vantagens são:

  • Escritórios com capacidade reduzida para atender ao distanciamento necessário;
  • Cumprimento de regras e protocolos rígidos para manter a segurança dos ambientes contra o coronavírus;
  • Estrutura personalizada por colaborador.

Portanto, sua empresa tem acesso a toda a estrutura necessária, sem se preocupar com os detalhes e pagando um valor justo. Além disso, é possível testar as unidades de coworking por 30 dias grátis

Por todos esses motivos, várias empresas já adotam o OfficePass. Algumas delas são Stilingue; Pipefy, iFood, Ambev, Fiat & Chrysler, Raro Labs, entre muitas outras.

Agora, você já não precisa escolher se quer implementar home office ou escritório tradicional. É só optar pelo trabalho híbrido e na modalidade com melhor custo-benefício. A consequência é engajamento, produtividade e melhores resultados.

Quer saber mais sobre o OfficePass e os coworkings? Acesse o site do BeerOrCoffee e conheça mais!

Texto escrito por Fabíola Thibes, jornalista e redatora web.