Equipes remotas

Como as empresas ajudam os funcionários remotos?

Renato Ribeiro
Escrito por Renato Ribeiro em junho 21, 2021
5 min de leitura
Como as empresas ajudam os funcionários remotos?
Junte-se a mais de 30 mil pessoas!

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos sobre o futuro do trabalho!

A força de trabalho global passou o ano de 2020 experimentando as mais diversas possibilidades do trabalho remoto, como o home office, os espaços de coworking e até uma volta mais segura aos escritórios tradicionais. 

Mesmo antes da pandemia, esperava-se que o trabalho flexível fosse otimizado. Com a crise causada pela Covid-19, o que aconteceu é que o futuro do trabalho foi antecipado. 

Em entrevista à Forbes, a CEO e co-fundadora do BeerOrCoffee, Roberta Vasconcellos, disse que “o futuro do trabalho foi antecipado em pelo menos 10 anos em razão da adoção do trabalho remoto e da necessidade de uso de espaços flexíveis”.

A JLL, por sua vez, apontou que “uma pesquisa histórica mostra que políticas flexíveis irão resistir após a pandemia, levando as empresas a remodelar escritórios para uma força de trabalho moderna”.

Mas como as empresas ajudam os funcionários remotos? É isso que você confere no texto a seguir!

Apoio aos funcionários remotos

O bom equilíbrio entre vida pessoal e profissional agora é muito mais essencial do que um salário e bons benefícios. 

A partir desse entendimento, os funcionários esperam que os empregadores olhem com mais cuidado para a saúde, o bem-estar e a nutrição dos colaboradores. 

Algumas empresas se esforçam, por exemplo, em fornecer móveis e equipamentos, almoços e créditos para seus funcionários trabalharem em um coworking perto de casa. 

“Os empregadores não estavam assumindo a responsabilidade por forças de trabalho remotas antes da pandemia e a mente se abriu totalmente para essa nova expectativa da força de trabalho, a fim de manter os melhores talentos e manter a produtividade”, disse Flore Pradere, da JLL.

Mais bem-estar e felicidade no trabalho

Uma vez que os empregadores promovem ações que deixam o trabalho remoto mais natural, as pessoas passam a se sentir menos isoladas e esgotadas. 

O analista da fintech Creditas, Thiago Palmeira, passou por uma situação curiosa em seu home office. “Esta semana me deparei com o vizinho do andar de cima fazendo uma reforma em pleno horário do meu expediente”, disse ele.

A saída que ele encontrou partiu de uma ação de sua empresa, que contratou créditos em coworkings para todos os colaboradores. “Para minha sorte, a Creditas começou uma parceria com o BeerOrCoffee, e encontrei um coworking da rede na rua onde moro”, destacou.

De forma mais fácil que esperava, bastou ele abrir um aplicativo, fazer uma reserva e ir para o coworking, o que salvou seu dia de trabalho. “Meu desejo é que todas as empresas tenham esse cuidado, essa empatia, de se preocupar com o nosso bem-estar para a realização de um bom trabalho.”

funcionários remotos

Pandemia como alerta para as empresas 

A pandemia pode ser um grande alerta para as organizações ficarem mais atentas em relação aos cuidados com seus funcionários. Não dá mais para viver em um mundo que o lucro tem de ser buscado a qualquer custo. 

Agora, as empresas seguem em busca dos seus resultados, contanto que os funcionários busquem realizar suas atividades e bater suas metas de maneira saudável. 

Em sua coluna no Jornal O Tempo, Roberta disse que “os colaboradores, mais do que nunca, anseiam por flexibilidade. Isso acontece por várias razões: entre elas, mais qualidade de vida e equilíbrio entre vida pessoal e profissional, menos tempo no trânsito e mais economia de recursos”.

Além disso, a CEO comentou que, “em alguns meses, gestores não obrigarão seus colaboradores a estarem em um determinado local para cumprir suas tarefas — obviamente, exceto em algumas indústrias específicas que exigem a presença física do trabalhador”.

As prioridades das empresas agora 

Em poucas palavras, agora as empresas devem buscar uma transição ágil para o trabalho híbrido. Afinal, a crise está acelerando a transformação e a reinvenção do trabalho em um ritmo sem precedentes na história. 

 Uma pesquisa da JLL, realizada com 2.033 funcionários de escritório em 10 países, apontou o seguinte:

  • Duas vezes: “a quantidade de dias trabalhados remotamente deve dobrar após a crise, passando de 1,2 dias pré-pandemia para 2,4 dias por semana no pós-pandemia”;
  • “72% dos funcionários querem continuar trabalhando em casa após a crise, e a maioria quer fazê-lo em média 2 dias por semana”;
  • “75% esperam que seu empregador apoie seu trabalho em casa e 1 em cada 3 está pedindo um subsídio específico”.

Além disso, o estudo também apontou que os ambientes de trabalho terão que ser mais humanos do que nunca, com foco em apoiar as demandas e as necessidades diversas e maleáveis dos colaboradores. 

Ao contrário do que muita gente pensa, o escritório tradicional deve continuar existindo, mas o seu uso será transformado. Até porque, com os novos tipos de comportamento que deverão prevalecer, esses espaços não comportarão o mesmo número de pessoas que abrangiam antes da pandemia.

O que muda, acima de tudo, é que os espaços de trabalho como o home office e os coworkings estão sendo expandidos em um ritmo incrível, como nunca foi visto. Isso acontece por uma simples razão, que foi destacada ao longo deste texto: possibilitar mais flexibilidade e qualidade de vida para os funcionários. 

A flexibilidade vai aumentar e vamos ter mais funcionários remotos

“A tendência é que a flexibilidade aumente cada vez mais. O ideal é pagar apenas pelo espaço que é usado, ter preocupações apenas com aquilo que é o foco da empresa e deixar de lado questões como os contratos longos e burocráticos dos escritórios tradicionais”, disse Roberta Vasconcellos.

Todas essas questões de ter mais flexibilidade no dia a dia do trabalho se resumem no anywhere office. Esse conceito nada mais é do que um modelo de trabalho que permite que as pessoas façam suas tarefas em qualquer lugar, como no home office, no escritório ou no coworking. 

Na prática, há apenas a necessidade de um espaço que seja confortável para a pessoa trabalhar com seu dispositivo, como o notebook ou o celular, conectado à internet. 

Para reforçar, “qualquer lugar” é sinônimo de literalmente qualquer lugar — incluindo o próprio escritório para o qual estávamos acostumados a ir antes do isolamento social provocado pela pandemia do novo coronavírus. 

Ou seja, para ajudar os funcionários remotos, as empresas precisam abraçar de vez esse modelo de trabalho. Para saber mais, saiba detalhes do conceito de anywhere office e veja por que sua empresa deve aderir ao conceito

Renato Ribeiro é Head de Marketing de Conteúdo no BeerOrCoffee