Flexibilidade no Trabalho

Gestão de Facilities: um guia sobre a profissão do futuro

Renato Ribeiro
Escrito por Renato Ribeiro em janeiro 9, 2021
17 min de leitura
Gestão de Facilities: um guia sobre a profissão do futuro
Junte-se a mais de 30 mil pessoas!

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos sobre o futuro do trabalho!

Uma função relativamente nova no Brasil começa a ganhar força nas organizações: a gestão de facilities. No entanto, muitos empresários e profissionais ainda têm dúvidas sobre as reais atribuições e desafios da área. Esclarecemos as principais delas aqui!

Muito se fala sobre o futuro do trabalho e as profissões que estão surgindo dentro de um cenário de grandes mudanças e transformações. Mais do que títulos, o futuro é principalmente sobre novas competências e habilidades. Dentro desse contexto, vale a pena destacar a gestão de facilities, que é cada vez mais essencial para as empresas. 

Por meio dessa área, as demandas por modelos mais flexíveis de trabalho estão mais bem atendidas. Além disso, a gestão de facilities ajuda nas tomadas de decisões, que tendem a ser mais cada vez mais complexas dentro das organizações. 

A popularização das novas formas de trabalho e o facilities

Com a popularização das novas formas de trabalho, como a cultura do anywhere office, os colaboradores passaram a ter mais flexibilidade no trabalho. É cada vez mais comum que as tarefas sejam realizadas nos mais diversos locais, como no home office, em cafeterias e em coworkings.

Em meio a tantas possibilidades, sabe-se que algumas carreiras são impulsionadas a partir da mistura das mais diversas áreas do conhecimento. Essa realidade já pode ser observada, por exemplo, no gestor de facilities — não é uma área exatamente nova, mas apenas nos últimos anos é que começa a se consolidar no Brasil. 

Trata-se de um profissional cada vez mais importante para as companhias que buscam se manter competitivas no mercado. Apesar disso, é provável que muitos gestores não compreendem bem o papel do gestor de facilities.

Até mesmo quem já trabalha nessa área e exerce a profissão costuma ter algumas dúvidas sobre as atribuições que o cargo possui. Afinal, se trata de algo que, como dissemos, é relativamente novo e que não fazia parte do contexto das organizações.

Pensando nisso, criamos este texto que esclarece as principais dúvidas sobre o tema. Siga a leitura e conheça, agora, a profissão do futuro, que tem papel essencial nas partes estratégica e operacional das organizações.

Quem é o profissional de Gestão de Facilities

gestão de facilities
O Gestor de Facilities é o responsável por pensar em um cenário mais macro, sempre à frente do aqui e do agora

Muito mais do que um administrador, o gestor de facilities é o responsável por pensar em um cenário mais macro, sempre à frente do aqui e agora. A gestão de facilities envolve várias disciplinas e áreas de atuação, a fim de garantir conforto, segurança, funcionalidade e eficiência do ambiente, integrando espaço físico, pessoas, processos e tecnologia.

De acordo com a International Organization for Standardization, a gestão de facilities é uma “função organizacional que integra pessoas, ambientes e processos, dentro de um local construído com o objetivo de melhorar a qualidade de vida das pessoas e a produtividade do core business”. 

Ou seja, o gestor de facilities é o profissional responsável pelo bom funcionamento da empresa em toda sua infraestrutura — como dissemos, em um contexto estratégico e/ou operacional. Ele pode atuar em companhias das mais diversas áreas, como fintechs, hospitais, indústrias, bancos, escolas, faculdades e outras.

Os profissionais da área podem ter muitos títulos diferentes e chegar à profissão por meio de uma grande diversidade de planos de carreira. Essencialmente, eles são responsáveis por garantir que os sistemas de um determinado ambiente — geralmente, uma grande empresa — funcionem harmoniosamente.

O gestor de facilities tem a responsabilidade de gerenciar todos os serviços que uma empresa contrata, como a limpeza, a segurança, a TI, entre outros. Quando a companhia decide apostar no trabalho remoto e contratar uma plataforma de coworking, por exemplo, é esse profissional o responsável pelo trâmite, a fim de que o novo processo se concretize.

Qual é a formação que um Gestor de Facilities precisa ter?

O gestor de facilities, por via de regra, não precisa ter uma formação específica. Geralmente, o cargo é ocupado por pessoas que têm curso superior em administração de empresas, mas essa não é uma regra, pois temos muitos engenheiros e arquitetos de formação, por exemplo, atuando na área.

O mais importante é que o gestor de facilities seja uma pessoa que entenda de planejamento estratégico, tenha um bom relacionamento com diferentes segmentos, saiba dialogar com os profissionais da empresa e identificar necessidades.

Também é esperado que o profissional tenha aptidão para fazer negociações e gerenciar pessoas. Ele estará coordenando toda uma infraestrutura e isso se faz necessário para não perder o controle das operações, lidando com colaboradores da empresa, pessoal terceirizado, clientes, entre outros.

Em algumas escolas técnicas e faculdades, por exemplo, já existem cursos de extensão e de pós-graduação para quem deseja se tornar um gestor de facilities. Eles são bons para quem deseja ter mais conhecimento acadêmico sobre as funções que devem ser colocadas em prática no dia a dia do profissional.

Além disso, também é importante que  o gestor de facilities tenha conhecimento em alguma língua estrangeira, como o inglês e o espanhol. Isso porque, eventualmente, pode ser necessário se comunicar com pessoas de outros países para fazer negociações.

O que um gestor de facilities faz exatamente?

O gestor de facilities contribui para o resultado final da organização, por meio de diversas atribuições, tais como manter em ordem e em funcionamento suas diversas particularidades, como os equipamentos. 

Além disso, esse profissional cuida das estruturas que fazem parte das operações da empresa no dia a dia, a fim  de que todos colaboradores tenham a melhor estrutura possível para desempenhar suas atividades. 

Entre esses deveres, um gestor desse universo é responsável por processos de segurança, infraestrutura, limpeza, tecnologias em telecomunicações, dados, imagem e voz. O profissional atua para que tudo dentro da organização aconteça de maneira fluida. Assim, possibilita que os resultados esperados sejam alcançados.

As empresas que não contam com um gestor de facilities, por outro lado, adotam um gerenciamento pulverizado dos serviços. Isso pode gerar muitas divergências e desentendimentos nas mais diversas linhas de atuação. No caso de organizações com mais unidades, por exemplo, isso pode ser ainda mais prejudicial.

No livro “Imagens da organização”, o teórico Gareth Morgan diz que as empresas funcionam como mecanismos. Assim, cada setor é visto como uma peça necessária para o funcionamento da organização como um todo. 

Se alguma peça parar de funcionar, toda operação da máquina é comprometido. Nessa analogia, o gestor de facilities pode ser visto como um motor, que faz com que as demais partes do mecanismo trabalhem em harmonia. 

Todos esses fatores nos levam a concluir que ter um profissional capacitado para unificar a gestão de todas áreas otimiza as atividades da organização como um todo.

Quais são as competências do profissional de gestão de facilities?

Embora o Gestor de Facilities não necessariamente possua títulos parecidos, ele compartilha atribuições em comum nas empresas em que atuam. As principais competências desses profissionais são apontadas e detalhadas a seguir. Acompanhe!

gestão de facilities
É essencial que o Gestor de Facilities se comunique de maneira clara e eficiente com seus stakeholders

Comunicação

É essencial que o gestor de facilities se comunique de maneira clara e eficiente com seus stakeholders. Dessa forma, é possível que todos envolvidos estejam devidamente informados sobre as mais diversas questões da empresa.

Os processos da área incluem atividades como a coleta de feedback das partes interessadas, a identificação do público da organização, o planejamento de uma comunicação apropriada, a seleção das ações e a mensuração dos resultados.

Ainda sobre a comunicação, é importante que sejam desenvolvidas habilidades de escrita e fala. O gestor de facilities precisa saber se expressar bem em reuniões, em e-mails e em todas as demais formas e canais de comunicação, sempre adaptando as palavras e o tom para o que é necessário em cada formato. 

Administração da informação e da tecnologia

Como o facilities é responsável pela estrutura da empresa e pelo funcionamento da operação, ele precisa ter atenção a diversos pontos, como os seguintes:

  • O planejamento, a implementação e a utilização de tecnologias que otimizam as operações do negócio;
  • A automação de sistemas inteligentes que ajudam no processo organizacional;
  • A transformação dos dados em estratégias de negócios;
  • O gerenciamento das instalações como um todo; 
  • A verificação e a mensuração de dados;
  • As informações sobre as instalações;
  • A coleta de dados e informações.

Liderança e estratégia

O gestor de facilities deve ter as habilidades de alinhar o portfólio de instalações da empresa com os valores e a missão da companhia, os recursos disponíveis, entre outras particularidades, a fim de que os colaboradores possam avançar em suas atividades e fazer entregas cada vez melhores.

Além disso, os profissionais da área também devem fornecer as devidas orientações aos funcionários. Dessa forma, acabam influenciando nas decisões, para que os resultados esperados sejam alcançados mais rapidamente.

Quando a gestão de facilities se desenvolve da forma esperada na organização, tudo fica mais organizado e os trabalhadores se sentem mais valorizados. Isso contribui para que eles se tornem mais leais e realizem os seus trabalhos com mais dedicação.

Os Gestor de Facilities deve ter as habilidades de alinhar o portfólio de instalações da empresa com os valores e a missão da companhia, os recursos disponíveis, entre outras particularidades, a fim de que os colaboradores possam avançar em suas atividades e fazer entregas cada vez melhores.

Além disso, os profissionais da área também devem fornecer as devidas orientações aos funcionários. Dessa forma, acabam influenciando nas decisões, para que os resultados esperados sejam alcançados mais rapidamente.

Quando a Gestão de Facilities se desenvolve da forma esperada na organização, tudo fica mais organizado e os trabalhadores se sentem mais valorizados. Isso contribui para que eles se tornem mais leais e realizem os seus trabalhos com mais dedicação.

O Gestor de Facilities deve compreender e documentar todas as demandas e necessidades da empresa

Desempenho e qualidade

O gestor de facilities deve compreender e documentar todas as demandas e necessidades da empresa. Esse profissional deve ter a capacidade de medir o desempenho da empresa, propondo melhorias contínuas em todos os processos.

Uma das metodologias que pode ser aplicada, nesse sentido, é a conhecida como ciclo PDCA — sigla para plan (planejar), do (executar), check (verificar) e action (agir). Trata-se de um método de trabalho em que as atividades se desenvolvem sempre de forma cíclica, visando a melhoria contínua da organização.

Inicialmente, as ações precisam ser planejadas para depois serem executadas. Com os trabalhos em andamento, o gestor de facilities deve verificar as demandas e garantir que tudo esteja sendo feito da melhor maneira possível. Caso identifique alguma melhoria que possa ser implementada, deve agir para que isso aconteça.

Ocupação e Fatores Humanos

Espera-se que o profissional da área tome as medidas necessárias para preservar o espaço e os profissionais, minimizando os possíveis riscos. Para tanto, os facilities deverão ter total atenção a todas operações da organização, criando um impacto positivo entre todos os stakeholders.

É interessante ressaltar que numa empresa que adota o anywhere office (trabalho em qualquer local), o gestor de facilities também tem um papel importante. Mesmo que não se tenha um espaço físico para coordenar, o profissional é o responsável por contratar softwares de armazenamento de dados em nuvem, videoconferências, plataforma de coworking etc. Tudo deve ser visto com muita cautela e dedicação para proporcionar a melhor experiência aos colaboradores.

Gerenciamento de riscos

O gestor de facilities deve estar devidamente preparado para emergências. Dessa forma, é possível preservar o espaço e garantir a continuidade do negócio. O papel desse profissional também está totalmente ligado à saúde e à segurança de todos os profissionais que fazem parte da empresa.

Aqui é importante destacar o papel que o profissional desempenha junto às autoridades públicas, como a Vigilância Sanitária e o Corpo de Bombeiros. É importante que o gestor de facilities tenha traquejo para lidar com esses órgãos e cumprir todas as exigências de infraestrutura para que os espaços da organização sejam seguros para os clientes, funcionários e qualquer pessoa que os frequente.

Gerenciamento de Projetos

O gerenciamento de projetos é uma habilidade essencial para o facilities e é importante, principalmente, por conta da diversa gama de projetos atribuídos às empresas. Como os projetos podem variar em relação a questões como complexidade, escopo, risco financeiro e duração, o facilities precisa estar muito bem preparado.

É importante que o profissional sempre busque se atualizar, ler muito sobre o tema, fazer cursos, acompanhar tendências de outros países etc. O anywhere office, por exemplo, despontou antes em países como a Holanda. Esse é um case que vem de fora e que é interessante de ser observado, assim como tantos outros.

Gestão imobiliária

Espera-se que o gestor de facilities supervisione os imóveis, a fim de que seja garantido que eles estejam totalmente seguros para os funcionários. Além disso, o profissional da área também precisa entender sobre práticas e princípios imobiliários para que possa tomar decisões estratégicas a favor da empresa.

Deve-se considerar também questões como a localização da empresa, que deve ser em um local acessível para os colaboradores, e um endereço de prestígio, que cause impacto nos clientes e parceiros da companhia. 

Nesse sentido, o endereço utilizado pela organização pode ser o de um coworking em localização privilegiada em uma área nobre da cidade. Porém, nem todos os colaboradores precisam atuar lá. Se alguém mora longe e prefere trabalhar em um escritório compartilhado mais próximo de sua residência, isso é possível. O gestor de facilities deve ficar atento a essas múltiplas possibilidades.

Sustentabilidade

As instalações de uma organização são parte integrante dos esforços de toda empresa para atender às suas responsabilidades sociais. E também para que ela esteja de acordo com as leis. O cumprimento dos regulamentos, mais do que uma obrigação, é uma necessidade para a viabilidade do negócio.

O gestor de facilities deve ter a responsabilidade de buscar caminhos mais sustentáveis para as tarefas executadas pela organização. Isso pode impulsionar, inclusive, o chamado marketing verde, algo que é muito valorizado atualmente.

Como se tornar um gestor de facilities?

Depois de conhecer todas essas competências, você deve estar se perguntando: “como fazer para me tornar um bom gestor de facilities?”. Bom, a preparação para seguir por essa carreira envolve muito estudo, foco e experiência em diferentes funções. Veja abaixo algumas das ações essenciais a serem seguidas.

Tenha uma boa formação de base

O primeiro passo da carreira de um gestor de facilities é a graduação. De acordo com o site vagas.com, a maioria desses profissionais contam com um diploma em Engenharia Civil ou em Administração. Outras formações também podem ser bastante úteis, desde que tenham disciplinas voltadas para metodologias de gestão, elaboração de cálculos mais complexos e precisos, bem como a gestão de pessoas.

É fundamental que esse período da graduação seja muito bem aproveitado, pois ele traz a base de tudo o que será feito e aprendido nos próximos passos. Se você já tem um diploma de terceiro grau, mas não teve contato com conteúdos nesse sentido, existem dois caminhos a serem seguidos: ou aposta em uma nova graduação, ou investe mais pesado em cursos específicos para suprir essas deficiências.

Elabore um plano de carreira consistente

A gestão de facilities é uma atividade que envolve grandes responsabilidades e, por isso, não pode ser feita por uma pessoa que está iniciando no mercado agora. Para chegar ao cargo de gerente de facilities é preciso percorrer um certo caminho, que pode até ser encurtado se for feito de forma estratégica.

Comece estabelecendo um objetivo de longo prazo, pense em qual seria o cargo máximo que gostaria de ocupar e pense em todas as exigências que precisarão ser cumpridas até chegar nele. Pesquise o mercado, as principais empresas que oferecem esse cargo e imagine-se nele. Trace um caminho e seja fiel ao seu propósito.

Invista em formações complementares

A formação de base é apenas o primeiro passo do seu caminho rumo ao cargo que pretende ocupar no topo da sua carreira. Com base em seu plano, identifique as habilidades e conhecimentos necessários e busque formações complementares que contemplem todas essas exigências. Lembre-se de que a formação vai além da parte técnica e teórica. É importante considerar tempo de prática em diferentes atividades, além do desenvolvimento da parte comportamental.

Amplie sua rede de contatos

Por fim, um bom gerente de facilities deve ser uma pessoa bem-relacionada, não apenas no que diz respeito à quantidade de contatos quanto à qualidade deles. Um bom network pode ajudar a estabelecer ótimos negócios ao longo da sua jornada, fortalecendo o seu currículo e a sua experiência na função. 

Além disso, é por meio de uma boa rede de contatos que as portas para os novos desafios se abrem, já que a indicação é um elemento de grande importância para esse tipo de cargo, que envolve confiança. Por isso, conhecer as pessoas certas aumenta suas chances de conseguir melhores vagas de trabalho, nas melhores empresas. 

Quanto ganha um gestor de facilities?

O salário de um gestor de facilities varia bastante conforme o segmento, a empresa e o nível de experiência do profissional. No início da carreira, com cerca de 1 a 2 anos de experiência, um Analista de Facilities pode receber algo em torno de R$ 3 mil. 

Já em uma fase intermediária, com cerca de 5 anos de experiência, um Gerente de Facilities pode receber um salário que varia entre R$ 6 mil e R$ 10 mil. Em casos de mais de 10 anos de experiência, um Diretor de Facilities pode ganhar mais de R$ 16 mil/mês. 

Otimização da rotina do Gestor de Facilities

Mesmo que o facilities seja um excelente profissional, que cumpra todas exigências demandadas, é possível focar em questões que otimizem sua atuação. Listamos a seguir quatro pontos principais de atenção. Confira!

1. Infraestrutura

A infraestrutura é a base de um bom trabalho. O gestor de facilities deve ter acesso a ferramentas, ambiente e tudo o que for necessário para tornar sua rotina mais fácil. Essa questão vai além de um bom computador, mesa e cadeiras confortáveis e uma internet de qualidade.

Ele vai precisar de softwares específicos, por exemplo. O facilities deve ainda ter um ponto de apoio na diretoria da organização, pois o profissional é fundamental para o sucesso do negócio.

2. Busca pelo novo

O gestor de facilities precisa estar atento aos profissionais da empresa, mas também deve se manter atento ao mercado. O papel da empresa é estimular essa busca pelo novo. Então, esse profissional deve estar sempre antenado, indo a feiras, cursos e eventos. 

Afinal de contas, o mundo sempre mudou, mas nunca mudou tão rápido. Por conta disso, o profissional de facilities tem o desafio de propor e entregar à empresa da qual faz parte as principais e melhores inovações do mercado. Dessa forma, a organização se mantém atualizada e competitiva.

3. Mobilidade 

A mobilidade é uma questão que afeta os cidadãos de uma forma generalizada e tem um impacto importante no trabalho. Um gestor de facilities está à frente de muitas equipes, que não necessariamente atuam no mesmo local. Isso pode acontecer com prédios, cidades, estados e até países distintos. Ou seja, não dá para limitar esse profissional a uma sala dentro da empresa.

Entenda melhor no vídeo abaixo!

4. Parcerias estratégicas 

As parcerias estratégicas são essenciais no dia a dia do facilities. Elas podem ter diversos formatos e ser feitas com diversos stakeholders. Afinal, esse profissional precisa possibilitar vantagens como flexibilidade, eficiência operacional e economia de recursos. O que otimiza a operação da organização.

Com o BeerOrCoffee, por exemplo, o facilities pode possibilitar que a empresa e seus profissionais tenham acesso a mais de 800 espaços de coworking, em cerca de 150 cidades brasileiras — além de lisboa, em portugal. Entre as opções, é possível escolher entre salas privativas e escritórios compartilhados.

Para Pedro Quadros, engenheiro de facilities do Banco Inter, a parceria com o BeerOrCoffee foi muito positiva. “O BeerOrCoffee é essencial para os nossos serviços de mobilização e desmobilização de equipes em dezenas de cidades no país”, diz. 

“Como temos centenas de colaboradores que precisam de mobilidade, a escolha pelos coworkings otimizou os processos. Também ganhamos agilidade em diversas burocracias. Além disso, tivemos uma grande economia, que ultrapassa R$ 1 milhão ao ano”, completa.

Espaço de coworking BHZ, em Belo Horizonte/MG.

Futuro da Gestão de Facilities

As constantes mudanças dos mercados, incluindo a gestão de facilities, fazem com que haja uma forte tendência em relação à flexibilidade, principalmente por conta de trabalhos baseados em serviços. 

Novas formas de trabalho ganham uma nova atenção no mercado. Assim, haverá cada vez mais demandas para assuntos como a gestão de prédios inteligentes. Além da gestão de mudanças no local de trabalho, a sustentabilidade e as construções socioambientalmente responsáveis também estão nas pautas das questões que estão por vir. 

Dessa forma, os gestores de facilities serão cada vez mais protagonistas para orquestrar novos resultados. Mas que tipo de habilidades os gerentes de facilities do futuro devem ter? Logo abaixo, separamos 3 principais características que descrevem as necessidades para essa área em constante mudança.

Designer

Quando o mercado de gestão de facilities flui para setores com foco em serviços, os profissionais da área cumprem um papel essencial para criar particularidades que envolvem três questões: heterogeneidade dos serviços, intangibilidade e integração do cliente. 

Ter que integrar a relevância da organização com o design da força de trabalho quer dizer que os profissionais de facilities estão totalmente conscientes de que a gestão de experiência e dos ambientes impulsionam as mudanças, ao mesmo tempo que apoia os desafios estratégicos das empresas.

Consultor

O papel do facilities do futuro passa por questões como pesquisar os objetivos da organização. Isso para ter foco em descobrir e definir o que é relevante e gera valor para a companhia. Os profissionais da área irão, cada vez mais, se posicionar como consultores, parceiros estratégicos e investidores. Isso porque as demandas das organizações serão cada vez maiores e, assim, elas terão que contratar externamente.

Envolver responsáveis pela gestão de facilities e outros profissionais contribuirá para impulsionar competências como a criatividade e a inovação e, dessa forma, ajudar a moldar o futuro do trabalho. O desafio será alinhar os interesses estratégicos e financeiros de todas partes interessadas.

Gerente de serviços

Após descobrir os desafios corporativos das empresas, o que ajuda a manter os usuários engajados, a função do facilities do futuro é a de se tornar um gerente de serviços. Essa área deve ser vista como uma questão essencial para o facilities de sucesso do futuro. 

Nesse contexto, o profissional deverá desenvolver habilidades de liderança, a fim de criar engajamento, motivação, respeito e desenvolvimento dos colaboradores, o que será crucial em qualquer modelo de serviço de sucesso. Além disso, destacam-se outras competências, incluindo os planos personalizados, a rotação de tarefas e a multidisciplinaridade, ou seja, atribuições do facilities do futuro.

Qual é a relação da gestão de facilities com o anywhere office?

A gestão de facilities e o anywhere office têm tudo a ver um com o outro. Ambos estão em uma tendência de crescimento e ajudam as empresas a tornarem a gestão mais moderna e adaptável. Veja alguns dos pontos mais relevantes entre esses dois conceitos.

Dinamismo

A rotina da área de facilities é bastante dinâmica e requer a tomada de decisões ágeis e ao mesmo tempo muito seguras. Pode ser bastante desafiadora, principalmente quando se esbarra em questões mais burocráticas e estagnadas, algo que não acontece em empresas que seguem a filosofia do anywhere office.

A gestão de facilities até pode ser realizada em ambientes tradicionais, mas é no anywhere office que ela alcança todo o seu potencial. O gestor tem a liberdade para escolher de onde será mais proveitoso atuar em cada dia, o que lhe permite acompanhar algumas demandas mais de perto ou aproveitar um dia mais tranquilo para resolver as coisas de casa. 

Flexibilidade

Um gerente de facilities precisa lidar com muitas tarefas e responsabilidades ao mesmo tempo, cada uma em um local, filial ou cliente diferentes. Um dia ele precisa averiguar uma obra em um prédio, no outro acompanhar a distribuição de produtos demandados por outras áreas. É uma rotina sem mesmices e pouca previsibilidade.

A flexibilidade para estar onde e quando for mais adequado é fundamental nesse caso. Algo que a gestão de facilities exige e o anywhere office oferece. 

Produtividade

A produtividade é um elemento buscado por todos os profissionais, seja qual for sua área de atuação. No caso de um gerente de facilities, ela tem algumas particularidades, fruto das características da própria função, como o dinamismo e a flexibilidade que acabamos de citar nos tópicos anteriores. 

Nas empresas que adotam o anywhere office, a produtividade é estimulada pela liberdade de atuação, que permite que os profissionais tenham mais alternativas para executar as suas tarefas. Com isso, um gestor de facilities pode ser mais produtivo, ao definir uma rotina mais adequada para cada dia de trabalho.

Inovação

A gestão de facilities permite que a empresa consiga direcionar seus esforços internos de forma mais estratégica. Ter uma pessoa responsável por lidar com todo o funcionamento do background faz com que os demais gestores possam se dedicar melhor às atividades finais de suas áreas, gerando mais inovação e desenvolvimento para o negócio.

Com a ajuda do anywhere office, o gestor e facilities pode se fazer mais presente onde e quando for necessário, possibilitando entregas de melhor qualidade para o setores e, assim, potencializando ainda mais seus resultados.

Conclusão

A gestão de facilities é um dos cargos mais importantes para o futuro — e o presente. A área aumenta o potencial de gestão da empresa e permite que os demais gestores foquem na core business do negócio. Isso significa que o gestor de facilities é um profissional totalmente alinhado com o futuro do trabalho e com as mudanças que estão acontecendo no mercado. 

Hoje, além das grandes empresas, médias e até pequenas organizações também precisam avaliar a possibilidade de contar com um profissional de gestão de facilities dentro do seu quadro de funcionários. Afinal de contas, trata-se de um profissional não apenas operacional, mas também totalmente estratégico para os desafios da organização. 

Esperamos que este texto tenha servido de inspiração para que você conquiste seus objetivos e avance para o próximo nível em sua carreira e nos seus negócios. Para continuar se informando sobre o tema, leia agora mesmo o nosso artigo que fala sobre os 10 principais desafios da gestão de facilities.


Renato Ribeiro é Head de Marketing de Conteúdo no BeerOrCoffee e entusiasta do futuro do trabalho.