Coworking x Sala Comercial: qual a melhor opção para o meu negócio?

Ao procurar por um espaço para sua empresa, é possível que surjam diversas dúvidas. Neste texto, vamos responder sobre a principal delas: coworking ou sala comercial: qual a melhor opção para cada perfil de negócio?

Se você é dono de uma empresa ou responsável pela gestão de facilities de uma organização com certeza já teve que escolher o melhor espaço de trabalho para a sua equipe. A partir desse contexto, é natural que existam dúvidas entre coworking (espaços compartilhados e flexíveis) ou sala comercial (ambientes tradicionais de escritórios).

Qual é a melhor opção para o seu negócio? Com a variedade de alternativas no mercado, a escolha pode se tornar desafiadora. Afinal, ao mesmo tempo em que procura-se o ambiente ideal, que vá satisfazer as necessidades da empresa, é necessário que o escritório cumpra uma série de requisitos — como uma boa localização e estar dentro do orçamento.

Além disso, também é importante considerar as movimentações do mercado. Até pouco tempo atrás, por exemplo, os coworkings eram vistos como espaços para autônomos ou pequenos empreendedores. Agora, porém, há um movimento contrário, com médias e grandes companhias procurando os espaços, segundo a CEO do BeerOrCoffee, Roberta Vasconcellos, em entrevista para o Jornal Hoje, da Rede Globo.

Neste texto, levantamos as características de cada um desses dois modelos de escritórios e mostramos os prós e contras de ambos. A partir daí, você poderá tomar a melhor decisão de acordo com o perfil do seu negócio e da sua equipe. Está pronto? Se sim, vamos lá!

Construção e decoração do espaço

Uma sala comercial tradicional é aquela que você compra ou aluga, tendo mais poder de decisão sobre o espaço em si. Por isso, um escritório próprio, inevitavelmente, possibilita uma maior liberdade de escolha na hora de construir e decorar o local.

Se você é o proprietário pode quebrar paredes, pintar nas cores que quiser e imprimir a identidade da sua marca no local. Cada equipe tem, ainda, a oportunidade de criar um espaço customizado para as suas necessidades.

Já os coworkings são ambientes de escritórios e espaços compartilhados. Ou seja, uma rede é proprietária do edifício ou andar e outras empresas sublocam salas ali. Os residentes também podem personalizar suas salas, mas com um pouco menos de liberdade do que se fossem de sua propriedade (nesse caso, vale um adendo: isso vale para os escritórios privativos dentro do coworking; por meio da plataforma BeerOrCoffee, por exemplo, é possível que sua empresa demande um escritório sob medida, o Built Suit, que é um escritório totalmente personalizado para uma companhia, como se fosse o tradicional, mas com características de um coworking. Clique aqui para saber mais sobre esse modelo). 

Há também coworkings com divisões em paredes de vidro, um formato que viabiliza pequenas alterações mais facilmente. Além disso, a empresa pode levar itens decorativos que representam a marca e tenham significado para o time. 

Veja, no vídeo abaixo, o exemplo da equipe de tecnologia da Renault.

No livro “Endomarketing: educação e cultura para a qualidade”, Wilson Cerqueira fala sobre a importância das empresas permitirem a personalização dos espaços para que os colaboradores despertem um sentimento de pertencer à equipe, o que também os torna mais leais.

Para o autor, os funcionários devem ter autonomia para escolher os objetos decorativos da sua mesa de trabalho, como porta-canetas, calendários, enfeites etc. Obviamente, quando você tem uma sala comercial própria ou alugada, isso é muito mais simples de ser proporcionado.

Porém, quando o colaborador trabalha em um coworking, possibilitar essa personalização também é possível, basta ser criativo. A empresa pode fornecer diferentes tipos de blocos de anotações, canetas, mouse pads, adesivos para o notebook, entre outros itens, e deixar que os funcionários deem sugestões sobre modelos, formatos, cores etc.

Com isso, a personalização acontecerá e o sentimento de pertencer a um time, tendo um lugar “dentro” da empresa, existirá, mesmo em uma realidade em que o espaço não pode ser totalmente modificado.

Custos com estrutura com aluguel de escritório

Neste tópico, a sala comercial convencional leva uma grande desvantagem. Isso porque os custos são consideravelmente mais altos. Uma vez que você adquire o espaço (o que já é um grande investimento) ou paga aluguel (que, depois da folha de pagamento, é o princpal gasto de uma empresa), ainda tem que lidar com uma série de gastos.

Alguns exemplos são manutenção e reforma, IPTU, condomínio, contas de luz, água, internet e por aí vai. Em um escritório tradicional também é necessário lidar com todos os custos de mobiliário, serviços de limpeza e recepção.

Enquanto isso, nos coworkings, a única fatura que você recebe é a do aluguel da sala. Toda estrutura é oferecida pelo espaço, desde o básico, como mesas e cadeiras para trabalhar, até ambientes descontraídos para descanso e interação. Há salas de reunião, escritórios privativos, espaços compartilhados, cozinha, banheiro e, em alguns casos, até locais para eventos.

O cuidado com a limpeza e a manutenção fica sob responsabilidade da administração do coworking, bem como a contratação de um bom plano de internet e abastecimento de água, luz, entre outros.

Caso qualquer problema ocorrer, basta conversar com a administração do coworking, que rapidamente buscará uma solução para que você possa continuar usufruindo do espaço.

Privacidade para a sua equipe

Uma sala comercial em prédios corporativos entrega muita privacidade para a sua equipe. Afinal, o espaço será só seu, dividido da melhor forma para que isso aconteça. O ambiente também pode ser mais silencioso, já que apenas os integrantes do seu time circularão pelo local. E, finalmente, caso haja informações sigilosas, um escritório próprio proporciona mais segurança para guardá-las.

Nos coworkings, as empresas optam pelos escritórios privativos, que são ambientes isolados dentro dos espaços compartilhados. Ao contrário do que muitas pessoas pensam, essas salas também oferecem  privacidade (visual e sonora), podendo ser customizadas de acordo com a necessidade da companhia.  

É claro que, nos coworkings, outras pessoas circularão pelo local. Mas, para isso, os espaços contam com toda segurança e em alguns escritórios compartilhados não é raro contar com fechaduras eletrônicas, a fim de garantir mais privacidade e segurança.

Além disso, também é interessante ressaltar que alguns coworkings contam com salas de reuniões, que podem ser alugadas por pacotes de crédito, conforme as regras de cada estabelecimento e a parceria fechada com o BeerOrCoffee. Elas são bastante úteis para receber clientes e também para debater assuntos mais sigilosos.

A sua empresa vai lançar um novo produto e precisa fazer uma reunião com a diretoria para discutir protótipos? As salas de reuniões podem ser uma excelente alternativa para garantir a privacidade que você precisa para discutir os seus projetos, sem correr o risco de alguém ouvir algo que não pode vazar e contar tudo para o concorrente.

Para saber mais sobre esse assunto, aproveite para baixar gratuitamente nosso guia “Melhores Reuniões, Melhores Soluções”, em que você vai aprender o segredo das reuniões eficazes e ganhar mais tempo e mais produtividade na sua empresa.

Localização da sala comercial X coworking

Na escolha de um escritório para a sua empresa o fator localização é um dos primeiros a ser considerado. O prédio deve ficar, preferencialmente, em uma área estratégica da cidade de acordo com a sua área de atuação. É interessante, também, estar próximo dos clientes e parceiros, de forma que eles cheguem até você com facilidade. Outros pontos importantes são as opções de transporte público no entorno e variedade de comércio na região.

Tanto prédios comerciais quanto espaços de coworking podem atender às suas necessidades nesse sentido. Em São Paulo, por exemplo, há espaços de escritórios compartilhados dentro de alguns dos edifícios corporativos mais conhecidos da capital. Ou seja, empresas com salas comerciais tradicionais e organizações residentes de espaços flexíveis convivem no mesmo condomínio.

Aqui a diferença está nos preços já que, como destacamos acima, quando as despesas são divididas pelos residentes, os custos fixos são bem menores (sem falar na despreocupação com contas como luz, internet, telefone, reparos, entre outras questões). Dessa forma, ter um espaço na melhor localização da cidade se torna mais viável quando uma empresa opta por coworkings.

Veja aqui algumas opções de escritórios nas melhores regiões do país:

Escritórios no Centro de Curitiba

Escritórios na Asa Sul, em Brasília

Escritórios no Itaim Bibi, em SP

Escritórios na Savassi, em BH

Escritórios no Jardim Paulista, em SP

Escritórios no Vila Olímpia, em SP

Sabemos que as pessoas ainda valorizam muito a localização das empresas. Já pensou que impactante seria para a sua companhia poder usar um endereço nobre, como a Avenida Paulista? Se optar por trabalhar em um coworking nesse local, poderá divulgar as informações em seus materiais publicitários, como cartões de visita e redes sociais.

coworking ou sala comercial
Regus JK Iguatemi, no Vila Olímpia, em São Paulo

Networking e visibilidade da marca

Como já diria o velho ditado, quem não é visto não é lembrado. E nenhuma empresa quer ser esquecida, não é mesmo? Portanto, investir em reconhecimento de marca e na construção de uma rede de contatos é algo que todas as organizações deveriam fazer. Afinal, o “boca a boca” ainda é uma das maiores fontes de divulgação e indicações.

Nos coworkings isso acontece naturalmente. Por serem ambientes colaborativos, com diversas empresas integradas, as interações entre profissionais de áreas de atuação variadas são estimuladas diariamente. Isso possibilita que surjam novas parcerias e proporciona uma troca de experiências muito rica. Além disso, dezenas de pessoas podem passar pela sua sala e serem impactadas pelo seu branding no escritório.

Caso você opte por uma sala comercial convencional, é interessante buscar alternativas para que sua empresa seja vista. Dependendo do edifício essas opções serão limitadas, mas alguns permitem que você insira sua marca ou logotipo na listagem da portaria, por exemplo. Realizar encontros, eventos e coffee breaks também ajuda a divulgar seu negócio, além de proporcionar oportunidades de interação com outros profissionais.

Apesar disso, as possibilidades de praticar o networking em uma sala comercial convencional são muito mais limitadas do que em um coworking. Nesse sentido, o ponto positivo vai para os escritórios compartilhados!

Liberdade de expansão da sua empresa

Vamos imaginar a seguinte situação: uma empresa com 50 funcionários está alocada em uma sala comercial perfeita para a sua equipe. Mas, no último ano, a quantidade de clientes praticamente dobrou e o gestor responsável chegou à conclusão de que chegou a hora do time crescer (e rápido!). Por isso, ele quer expandir para um local que comporte até 100 colaboradores, número que deve ser atingido em aproximadamente seis meses. E agora?

Bem, sempre há a possibilidade de contratar uma nova sala comercial. Mas isso pode demorar muito, além de gerar gastos acima do que a empresa comporta. Durante seis meses haverá posições ociosas e uma estrutura maior do que a necessária. Os longos contratos também podem ser um empecilho, pois, espera-se que a empresa e a equipe continuem crescendo. E tudo isso acaba virando uma bola de neve.

Por outro lado, planos de escritórios privativos em coworkings são bem mais flexíveis nesse sentido. Se uma equipe precisar crescer, basta contratar mais posições. E há, ainda, a possibilidade de optar por alocar alguns colaboradores nos espaços compartilhados, caso eles queiram. E o melhor, as equipes podem ficar divididas em localizações diferentes, de acordo com suas necessidades e estratégias, e não presas a um prédio só.

Essa quebra de fronteiras também é útil para que você possa ter sempre os melhores colaboradores no seu time. Vamos supor que a sua empresa seja em São Paulo e você quer contratar um especialista que mora em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, e ele não quer deixar a cidade em que vive, de jeito nenhum.

Com as plataformas de coworking isso deixa de ser um problema. Existem estabelecimentos parceiros em praticamente todas as capitais e grandes centros urbanos do Brasil. Logo, não haverá problema em contratar alguém que não vive no mesmo município em que a sua companhia está estabelecida.

Adaptação para o novo cenário do mundo dos negócios

Estamos vivendo um novo cenário no mundo dos negócios, muito por conta das mudanças trazidas pela pandemia do novo coronavírus. Segundo alguns historiadores, como Lilia Schwarcz, esse evento marcou a verdadeira entrada no século XXI.

De acordo com a estudiosa, os avanços da transformação digital se intensificaram e agora iniciamos uma nova forma de viver a vida, muito mais conectados e menos dependentes do espaço físico. Ela também acredita que a pandemia serviu para que aprendêssemos mais com os erros do passado, a fim de evitar repeti-los no futuro.

Trazendo essa realidade para o mundo dos negócios, algo que está sendo muito difundido é a cultura Anywhere Office. Esse movimento de âmbito mundial significa que o trabalho pode ser realizado em qualquer local, como na casa do colaborador, em uma biblioteca, um coworking ou na sala comercial tradicional da empresa.

Os empresários e seus colaboradores começaram a entender que home office e trabalho remoto não são a mesma coisa, mas sim formatos que se complementam — para ser mais específico, o home office é, pura e simplesmente, uma das modalidades do trabalho remoto. Não é mais preciso escolher entre trabalhar só em casa, na sede da empresa ou em um coworking. É possível estar, alternadamente, em todos os espaços, adaptando as rotinas.

Essa forma de trabalho, que já é comum em países como a Holanda, ganha força no Brasil e em outras partes do mundo. Os trabalhadores já disseram aprovar o anywhere office, como mostra uma pesquisa desenvolvida pela Fundação Dom Cabral.

Na nova realidade em que estamos vivendo, os coworkings levam vantagem em relação à sala comercial. Afinal, fica muito mais fácil e econômico praticar o anywhere office contratando uma plataforma de coworkings, por exemplo, do que pagando o aluguel de um escritório tradicional, que nem sempre tem toda a sua infraestrutura utilizada pela equipe.

coworking ou sala comercial
24p7 Conetworking, no Sion, em Belo Horizonte

Conclusão

Tanto os coworkings quanto as salas comerciais têm vantagens e desvantagens. A escolha entre um espaço ou outro vai depender do tamanho da sua empresa, necessidades da equipe e área de atuação do seu negócio. Basta fazer uma lista de prós e contras, de acordo com aquilo que você busca, e tomar a decisão racionalmente.

Os aspectos citados aqui representam características mais gerais, mas sabemos que cada empresa é única e que cada caso deve ser analisado individualmente. Inclusive, conforme explicamos, o coworking não necessariamente pode ser o único local utilizado para a sua equipe trabalhar. Ele pode ser mais um dos espaços, caso opte por seguir a cultura no anywhere office.

Quer saber mais sobre como isso funciona? Se sim, conheça a solução Office Pass, que garante acesso a mais de 1.000 coworkings, além da gestão do home office e da sede da empresa.

Texto de Lucas Flores – Relações Públicas e mestre em Letras, Cultura e Regionalidade. Desde 2013, trabalha com produção de conteúdo para web.

Facebook Comments
Coworking x Sala Comercial: qual a melhor opção para o meu negócio?

5 práticas poderosas para conquistar clientes B2B

Coworking x Sala Comercial: qual a melhor opção para o meu negócio?

Planejamento financeiro para 2020: como minha empresa deve se programar

Newer post