Papo com a CEO: um dossiê completo sobre Roberta Vasconcellos, do BeerOrCoffee

roberta vasconcellosNa última sexta (15/02), encontrei a Ró para falar de negócios. O papo foi como eu esperava: leve, agradável e profundo. Além de assuntos como carreira, empreendedorismo e startups, também falamos sobre sonhos, família, propósito e Deus.

Roberta Vasconcellos é uma menina doce e, ao mesmo tempo, uma empreendedora focada, que tem clareza do caminho que trilha. Antes de conhecê-la melhor, eu pensei que ela fosse uma inveterada workaholic. De fato, ela trabalha muito. No entanto, também reserva um tempo para cuidar de si e das pessoas que ama. 

Aos 30 anos, ela é um dos principais nomes do ecossistema de startups do país. Já foi eleita pela Forbes como uma das jovens que estão transformando os mais diversos setores da sociedade. Hoje, é CEO do BeerOrCoffee e não mede esforços para entregar a empresas e pessoas uma das coisas que mais gosta na vida: liberdade.

Neste texto, vou entregar todos os detalhes do papo que tive com a Ró. Então, pode preparar sua Beer ou seu Coffee (com o perdão do trocadilho, rs) porque lá vem textão. Se você está em busca de inspiração para a sua carreira ou o seu negócio, então aproveite o conteúdo que preparei! Vamos lá?

Surge uma pequena empreendedora

Desde criança, Roberta Vasconcellos é comunicativa e sempre demonstrou uma grande desenvoltura para se relacionar com as pessoas. Em nosso papo, ela confirmou. “É verdade, eu sempre fui uma pessoa de comunicação”.

Não demorou para que essa habilidade se transformasse em negócio. Aos 12 anos, em uma brincadeira despretensiosa, a Ró começou a vender trufas para os coleguinhas do colégio.

A mãe, Bebela, me contou que o intuito inicial não era vender. Mas aí a demanda foi ficando cada vez maior, então a comercialização dos chocolates se tornou orgânica.

“Foi tudo natural. Ela nunca teve vergonha de vender, nem nada disso. As trufas eram baratinhas. Em seguida, a coisa decolou e criamos a empresa ‘Bebela Bombons’”, disse a mãe.

Apesar do sucesso do pequeno empreendimento, na época a Bebela estava com muitas obrigações, incluindo dois bebês, a Rafa e o Bê.

Por conta disso, a marca “Bebela Bombons” teve que chegar ao fim. Mas a veia empreendedora da Roberta, não. O próximo capítulo dessa história estava prestes a acontecer, mas bem longe do Brasil.

Vendendo cachorro-quente no Canadá

O sucesso do micronegócio “Bebela Bombons” deixou marcas. Alguns anos depois, quando foi fazer high school no Canadá, a Roberta adotou o costume de comer cachorro-quente na corrocinha que tinha em frente ao colégio.

Em um papo e outro com o dono do empreendimento, a Ró recebeu um convite para vender o lanche. Embora o salário não fosse atraente (ganhava $7/hora, enquanto a média do salário era de $13/hora), ela topou o desafio.

Claro que era um trabalho proibido, mas isso nem passou pela cabeça da Roberta. Então, foi vendendo cachorro-quente que ela guardou dinheiro e conseguiu comprar seu primeiro laptop.

“O patrão gostou muito da Roberta, principalmente pelo fato de ela ser muito comunicativa. Ficou impressionado, ainda mais porque ela não estava em seu país de origem”, contou Bebela.

Apesar do sucesso, a Ró teve que abandonar a carrocinha de cahorro-quente. As aulas terminaram e ela precisou voltar ao Brasil.

Com a mãe, Bebela: desde sempre, uma grande incentivadora

Aulas de inglês e loja de shopping

Roberta voltou ao Brasil animada para continuar colocando suas habilidades de negócios em prática. Depois das trufas e do cachorro-quente, ela foi dar aulas de inglês para crianças. Como não poderia deixar de ser, amou a experiência.

Em seguida, surgiu uma oportunidade para trabalhar em uma conceituada loja de roupas em um shopping de Belo Horizonte. Bebela me contou que “o pessoal ficou doido com a Roberta”.

Em todas essas experiências, há algo em comum: a Ró foi desenvolvendo habilidades de relacionamentos e resolução de problemas. “Ainda mais em comércio, né? Os problemas acabam sendo inevitáveis”, disse Ró.

Em meio às aulas e ao shopping, ela decidiu cursar publicidade e propaganda e começou um estágio em atendimento na empresa da família. O pai (e a Bebela, claro), no entanto, a incentivou para continuar aprender no mercado.

Dessa forma, lá foi a Roberta Vasconcellos respirar novos ares. E foi exatamente nesse momento que uma grande paixão a arrebataria: o mundo das startups.

A chegada no mundo das startups

No meio da faculdade de Publicidade, a Roberta decidiu cursar Direito paralelamente. Sem muita certeza do caminho a trilhar, ela resolveu experimentar. Chegou a estudar dois anos para se tornar uma advogada, mas desistiu. Não era isso que fazia seu coração vibrar.

Dessa forma, faltando 6 meses para se formar em Publicidade, em 2009, um grande amigo comentou sobre o mundo das startups. Ao mesmo tempo, a Ró participava de alguns processos de trainee em multinacionais.

Apesar disso, a voz do amigo falou mais alto. Surgiu um processo seletivo para trabalhar na SambaTech, uma startup que atua no universo dos vídeos, em Belo Horizonte. A Ró mandou currículo, foi aprovada e entrou no time comercial da empresa.

A equipe, porém, era ela e mais uma pessoa. Além disso, era um ambiente eminentemente masculino, ou seja, haviam boas chances de ela não gostar ou até sofrer preconceito por ser uma mulher trabalhando em tecnologia. Mas não foi isso o que aconteceu.

Experiência no mundo da tecnologia

Todos sabemos que ainda existem muitos preconceitos no mundo corporativo. Um deles é relacionado à questão das mulheres no mercado de trabalho.

Quando a Roberta chegou na Samba, era ela e mais duas ou três profissionais do sexo feminino. Mas isso não foi nenhum empecilho para ela. Pelo contrário. “Nunca tive essa consciência de me achar diferente por ser mulher, então nunca aconteceu nenhum tipo de hostilidade”, disse ela.

Hoje, depois de muitos anos no mercado, a Ró sente que às vezes há pessoas que cruzam a linha e acham que podem te paquerar no whatsapp depois de uma reunião. Isso, no entanto, são casos isolados.

“Tudo depende da nossa postura. Nada me atrapalhou e nunca me senti menos ou mais por ser uma mulher no mundo das startups e da tecnologia” afirmou. “Acho que essas primeiras experiências trabalhando com homens me ajudaram muito”, completou.

Voltando à época da Samba, sem muitas habilidades na área de tecnologia e tendo de se reunir com clientes para vender um serviço técnico, ela foi entender sobre a área. Para isso, sentou com os programadores e não se dava por satisfeita enquanto não entendia “timtim por timtim” dos códigos da vida.

Além disso, na Samba ela aprendeu tudo sobre startups. Inquieta, também aproveitou para fazer uma pós-graduação em gestão de negócios. Ela adorou a escola e o curso, mas não conseguiu aplicar as coisas que estudava.

De qualquer forma, as coisas avançaram. Nessa hora, entrou em cena um personagem mais do que especial: o irmão Pedro, dois anos mais novo (em breve, vou puxar a história dele, rs). Pedro é engenheiro e, assim como a irmã, tem perfil visionário.

Entre as habilidades do Pedro, a empatia sempre foi muito evidente e, assim, ele teve o sonho de ajudar as pessoas a realizarem seus sonhos. Por isso, teve a ideia de criar uma empresa e pensou em uma parceria perfeita para a empreitada. Adivinha quem era?

O nascimento do Tysdo App

Depois do sucesso na Samba e de muito aprendizado, a Roberta foi para o mercado para empreender com seu irmão, Pedro, e com outros sócios. Eles criaram o Tysdo, um acrônimo para “things you should do” (ou “coisas que você deveria fazer”).

O empreendimento ganhou uma grande relevância. Conectou e ajudou gente a realizar sonhos, participou do startup Chile e estabeleceu diversas parcerias. Foi uma experiência rica e interessante. Mas não foi pra frente.

Segundo a Ró, a empresa não deu certo por alguns motivos e o modelo de negócios era o principal desafio. No fim, a organização se tornou mais uma agência de marketing de experiência do que startup. A monetização era baseada em projetos, algo que não era do interesse dos envolvidos.

Além da pegada de agência, o app tinha cara de agência. “Basta ver o quanto Facebook, Instagram e outras plataformas demandaram investimentos para ganhar tração e se tornar o que são hoje. O problema é que, no Brasil, não temos nenhum Peter Thiel (um dos grandes empreendedores e investidores do mundo dos negócios) para ajudar os empreendedores das redes sociais”, disse Ró, em entrevista à revista “Pequenas Empresas, Grandes Negócios”.

Além disso, o trabalho demandou várias frentes. Como o foco era o sonho das pessoas, as atividades eram ligadas à saúde, viagem, trabalho e muitas outras. No fim, os empreendedores perceberam que, além das realizações, o objetivo era conectar pessoas.

Assim, Roberta, Pedro e companhia decidiram partir para outra. O Tysdo acabaria naquele momento, mas a essência de conectar pessoas, não. Dessa forma, nasceu o BeerOrCoffee.

Com o irmão, Pedro, na capa da VejaBH, anunciando o Tysdo

Capítulo BeerOrCoffee: o Airbnb dos coworkings

Depois do Tysdo, os irmãos empreendedores decidiram criar um produto totalmente voltado para o networking. Afinal, eles perceberam que não existia nenhuma empresa que conectasse pessoas com objetivos profissionais.

Assim, no fim de 2015, nasceu o BeerOrCoffee. O nome surgiu pelo fato de, ao encontrarmos alguém, tomamos um café ou uma cerveja. Era como se fosse um Tinder de negócios. Era possível convidar alguém para um café ou uma cerveja e só entrava no app quem era convidado.

Nesse modelo de negócios, o BeerOrCoffee ganhava o valor do primeiro café entre dois usuários do serviço, que conectava pessoas que estavam próximas.

Em seguida, o negócio mudou e passou a conectar pessoas e marcas a ambientes de trabalho. Nesse contexto, a essência do Tysdo permanece no BeerOrCoffee: ajudar a criar conexões valiosas.

Hoje, a empresa só cresce, tem um time de cerca de 20 pessoas e se tornou uma espécie de Airbnb dos Coworkings. Além da Roberta e do Pedro, tem um terceiro sócio, o Eric Santos, um empreendedor serial e visionário de tecnologia. Só no Brasil, a rede conta com de 600 espaços de coworking, incluindo alguns fora, em Lisboa, Portugal.

Com tantas reuniões, relações, possibilidades e oportunidades acontecendo ao mesmo tempo, a Ró poderia dar uma pirada. Mas ela leva algo consigo duas coisas que estão sempre em primeiro lugar: família e Deus.

Pedro, Eric e Roberta

Família, Deus e propósito

“A base de tudo é família e do ambiente em que você está inserido”. É essa frase que a Ró me diz quando pergunto da importância que a família tem para ela.

Mesmo morando em SP (a família está em BH), a Ró está sempre próxima dos pais e dos irmãos, que são verdadeiras inspirações em sua vida. O namorado também é uma grande inspiração.

Quando Ró me fala deles, os seus olhos se enchem de lágrimas. É nítido e muito transparente todo amor que existe por eles dentro do seu coração.

Também é dentro do seu coração onde mora o seu propósito. Como entusiasta da vida, busca enxergar tudo de forma muito positiva. “A Ró sempre foi uma menina muito iluminada e sempre teve um lado de servir muito forte”, contou Bebela.

“Além disso, ela sempre é extremamente positiva. Ela nunca duvida de nada e sempre entra de cabeça em seus projetos. Tem uma disciplina admirável”, continuou a mãe.

Além do amor pela vida, a Ró também se entusiasma pela sua fé em em Deus. “Além da família, tem o fato de eu acreditar em Deus, então enxergo as coisas e pessoas com um olhar cristão. De fazer bem ao próximo, de deixar um legado. De fazer tudo com amor e boa intenção”, disse.

Nessa hora, eu perguntei para ela se isso era possível em meio a mundo corporativo, incluindo o fato de viver em SP, que é uma cidade que respira negócios e um celeiro de milhares e milhares de profissionais estressados.

A Ró, então, responde que tem que se lembrar disso sempre. Mais do que isso, disse ela, é preciso ter pessoas que te lembrem isso a todo momento. “O meu irmão Pedro, por exemplo, é uma pessoa que me lembra disso o tempo todo. Ele sempre me recorda o porquê de fazer o que fazemos”.

Além dessas inspirações, ela adora mergulhar nas histórias de outros líderes e tirar lições daquilo que fizeram. “Eu anoto, coisa que falaram, que fizeram e tudo o mais”. Atualmente, por exemplo, ela ela está lendo “A marca da vitória”, de Phil Knight, a autobiografia do criador da Nike.

Próximos passos

Por fim, perguntei para a querida Roberta Vasconcellos sobre seus próximos passos. Ela me disse que é continuar crescendo, desenvolvendo pessoas e aprendendo com elas. Além disso, é impactar pessoas com o porquê da empresa da qual é CEO: dar liberdade para as pessoas escolherem o que elas farão em relação ao trabalho. “A gente vive essa liberdade e quer dar essa liberdade para as pessoas”.

Alguma dúvida de que ela vai conseguir? Eu não tenho nenhuma!

Parte do time BeerOrCoffee

Saiba mais

Curtiu o modelo de negócios do BeerOrCoffee e quer fazer parte dessa grande família? Para conhecer mais, clique aqui. Você também pode optar por um day test, um escritório para sua empresa ou optar por salas privativas.

Se você quer conferir mais conteúdos sobre a Roberta, confira a entrevista que ela deu para o canal InovAtiva Brasil.


Texto escrito por Renato Ribeiro, Content Owner do BeerOrCoffe

Facebook Comments
Papo com a CEO: um dossiê completo sobre Roberta Vasconcellos, do BeerOrCoffee

Sistema de reembolso: por que a sua startup deve contar com um

Papo com a CEO: um dossiê completo sobre Roberta Vasconcellos, do BeerOrCoffee

Minha primeira experiência no Ace Campus, um coworking da rede BeerOrCoffee em SP

Newer post

Post a comment