Gig Economy: entenda o que é e como fazer parte dela

Gig EconomyO termo Gig Economy se popularizou nos últimos anos para descrever a forma como os millennials e as gerações posteriores lidam com o trabalho.

Trata-se de posições de emprego temporárias, contratadas pelas empresas de acordo com a necessidade e por curtos períodos de tempo. Freelancers são parte dessa economia porque estão acostumados a lidar com contratos por projeto e assumir outras posições de trabalho.

Segundo um estudo da Intuit, até 2020 pelo menos 40% das posições de trabalho nos Estados Unidos serão parte da Gig Economy. No Brasil, essa tendência tem ganhado força com a nova legislação trabalhista.

A Gig Economy dá mais autonomia ao trabalhador, que pode escolher quando e onde prestar os seus serviços. Ela é um dos grandes motores de mudanças na maneira como vemos nossas profissões e as executamos, como no nomadismo digital.

Quer se preparar para o futuro e entender como ingressar na Gig Economy? Então, confira as dicas a seguir!

Como ingressar na Gig Economy

Acompanhe as dicas abaixo para você integrar a Gig Economy. Confira!

Comece como freelancer

Uma ótima maneira de dar os seus primeiros passos na Gig Economy é começar a atuar como freelancer o quanto antes. Qual dos seus talentos pode ser colocado a serviço de empresas ao redor do mundo? Você sabe escrever, desenhar, fazer sites ou trabalha com Marketing Digital?

Considere desenvolver essas habilidades como profissional autônomo. Isso vai lhe ajudar a se habituar ao ritmo da Gig Economy antes mesmo de deixar o escritório onde trabalha e construir repertório e experiência suficientes para que conseguir administrar esse novo estilo de vida.

Pense como um empreendedor

Uma das grandes mudanças exigidas para que alguém ingresse na Gig Economy é de mentalidade. Pensar como um funcionário não será útil para que você avance nessa nova era do mercado de trabalho.

Os profissionais da Gig Economy sabem buscar por oportunidades e fazer cada uma delas valer a pena. Eles têm iniciativa para procurar as posições mais atraentes e lucrativas para aplicar suas melhores características. Assim, conseguem tomar decisões que refletirão em melhores rendimentos no futuro.

É preciso, para isso, começar a pensar como um empreendedor. Cada autônomo da Gig Economy é uma empresa e deve administrar sua imagem (e finanças) como uma organização faria.

Regularize sua atuação profissional

Para abraçar todas as vantagens da Gig Economy você precisará não apenas pensar como uma empresa, mas tornar-se uma. Registrar um CNPJ como MEI deve ser uma das prioridades para quem deseja atuar como contratado, já que a maioria das empresas contrata apenas outras empresas para prestarem serviços.

Esse cadastro garantirá o pagamento dos seus impostos, lhe dará uma rede de proteção (como um salário para quando você não puder trabalhar porque sofreu um acidente) e permitirá que emita notas fiscais, regulamentando o seu trabalho.

Busque empresas que seguem esse modelo

Sem clientes não dá para participar da Gig Economy. Então, você deverá buscar por empresas que estão familiarizadas com esse conceito e oferecem posições de trabalho remoto.

A Uber, por exemplo, funciona sob o modelo da Gig Economy. Seus motoristas podem pegar corridas quando estão disponíveis e não precisam trabalhar se não quiserem. Há um número de demandas disponíveis e profissionais prontos para atendê-las.

Plataformas online também oferecem oportunidades nesse sentido. Sites em que é possível encontrar projetos de design e enviar orçamentos para múltiplos clientes, aplicativos em que pequenas tarefas se transformam em dinheiro e as redes sociais serão seus grandes aliados ao se juntar à Gig Economy.

Automatize parte do seu trabalho

Se a Gig Economy é uma nova maneira de se trabalhar, ela é impulsionada também por novos recursos para fazer com que esse trabalho seja eficiente. Lembra que citamos o exemplo dos nômades digitais?

Quando esses profissionais se mudam de país em país, eles precisam ter parte dos seus trabalhos encaminhados para que as horas no aeroporto ou os passeios não se transformem em prejuízos.

Ferramentas de automação são fundamentais para que os membros da Gig Economy consigam entregar demandas mesmo quando não estão na frente do computador.

Construa uma rede de contatos

Para garantir que as gigs continuarão chegando será preciso pensar em networking. Participar de eventos, conhecer novas pessoas e divulgar aquilo que faz bem são formas de autopromoção em que todos os autônomos devem investir.

Construir uma presença firme na internet, atualizar constantemente seu portfólio e conversar com frequência com pessoas dentro e fora da sua área lhe ajudará a encontrar oportunidades de trabalho melhores e mais frequentes. Por isso, não aproveite a flexibilidade que conquistou para se prender em um casulo: saia, procure se manter ativo entre os profissionais da sua área e crie um bom relacionamento com os clientes que já atendeu.

As recomendações serão essenciais para se tornar reconhecido no mercado e manter o fluxo de trabalho de que precisa para sobreviver, poupar para o futuro e se divertir ao longo do processo.

equipe à distância

Comece a pensar no futuro

Sem a carteira assinada, muitos freelancers esquecem de pensar no futuro. Poupar para um período em que a demanda do mercado é menor, garantir um salário de férias e economizar para se aposentar são coisas importantes para quem trabalha como autônomo. Todas elas terão que ser administradas por você mesmo.

Separar parte dos seus ganhos mensalmente vai ajudá-lo a usufruir de tudo que um funcionário com CLT dispõe. Décimo terceiro, férias e contribuições previdenciárias estão ao alcance dos freelas que aprendem a se organizar.

Faça um curso de finanças ou comece a acompanhar um blog dedicado ao tema. Mais conhecimento lhe ajudará a tomar decisões melhores com o seu dinheiro para poder curtir a velhice.

Um dos benefícios de se juntar à Gig Economy é ter mais flexibilidade e controle sobre como você trabalha. Profissionais independentes podem escolher seus clientes e decidir quanto ganham, trabalhando presencialmente ou remotamente de acordo com as próprias necessidades.

Hoje, trabalhar dessa forma é uma opção atrativa para a maioria dos jovens, que querem tem tempo para se dedicarem ao que mais gostam e não abrem mão da própria liberdade.

Esse é o seu caso? Então que tal se juntar à Gig Economy hoje mesmo? Faça o seu cadastro na Plataforma Rock Content e venha trabalhar conosco!


Este é um GuestPost produzido pela Rock Content: http://rockcontent.com.br

Facebook Comments
Gig Economy: entenda o que é e como fazer parte dela

Como minha experiência no Conosco-BH me fez refletir sobre o futuro do trabalho

Gig Economy: entenda o que é e como fazer parte dela

Espaços de coworking: tudo o que você precisa saber para aproveitá-los ao máximo em 2019

Newer post

Post a comment